Eu Lírico

02. Mera Observação

Era noite de sexta feira.
Uma noite bem fria, por sinal.
Falei com todos, puxei uma cadeira.
Me acomodei e comecei a conversar, nada anormal.

Comigo, os velhos companheiros de prosa
Um pouco de assunto e o som vindo da rua.
Ao centro uma mesa com uma flor, uma rosa.
Alguma bebida e um prato de carne meio crua.

Estávamos todos no interior d'um bar.
O típico boteco que de tudo tinha.
Da cachaça mais inusitada
Ao famoso frango à passarinha

Na vitrola, um bolero conhecido.
Ao lado, uma linda dama de perfume.
Na sinuca, um malandro bem sabido
E o papo fluía como de costume

Mas, tinha algo diferente
Algo estranho acontecia,
Era comigo.
E, meio que de repente,
Perplexo, eu me via.
com tudo eu estava entretido

Passei a enxergar tudo.
Enxergar não, ver.
Ver aquilo que estava no meu mundo.
Aquilo que eu insistia em esquecer.

Vi o grilo, que zoava no teto
Já me tachando de louco
Pois, dar importância a um inseto
pra loucura, faltava pouco.

O giro das hélices do ventilador,
que esfriava ainda mais o lugar
Era monótono e assustador
Tal como um velho que, solitário, estava por lá.

Um casal de gulosos
que sempre pediam o mesmo
Um prato cheio ovos
E uma porção de torresmo.

Do outro lado da rua
Residia Um mendigo
Vivia no mundo da lua
Abandonado, doente, encardido.

Me irritei com a porta do banheiro
Que fazia um som insuportável
Até que um garoto, um tanto ligeiro
Entrou lá e o resto é improvável.

Pensei na minha família
Que, feliz, me aguardava no lar
E quando, no bar, entraram mãe e filha
Queria, pro meu aconchego, voltar.

Até que, de supetão, tudo sumiu.
Abri meus olhos e me surpreendi.
A porta do quarto, autônoma, se abriu
E num piscar de olhos, uma tragédia percebi.

Fiquei mal, desolado
o rosto estava bem tristonho.
Tudo aquilo que havia presenciado.
Fazia parte de um sonho

Um sonho engraçado
De mera observação
Só que estava recheado, coitado,
De uma ingrata ILUSÃO.


01. 


Aqui, a minha verdadeira bodega.


Ao longo dos meus míseros 15 anos, pude aprender e descobrir muitas formas de se fazer arte. Uma delas, obtida há pouco mais de um ano, foi a poesia. Pude embarcar em algumas ideias que já eram bem formadas na minha cabeça, dessa vez, sabendo como aplicá-las no papel. Então, apreciem as minhas loucuras poéticas!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Me dê a honra do seu comentário

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget