quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

O mover.

Como astronautas, devemos garimpar descobertas.

O que nos move é a necessidade do descobrimento, do auto-descobrimento. Necessidade de se pôr fermento para o crescimento mental. Tal movimento, que causa certo enjoo em quem o faz, pode ser lento como uma lesma, ou rápido como o vento, a depender do entendimento pessoal.
O que nos toma o poder de movermo-nos é o fechamento da mente, a escuridão naquilo que se sente, no que, realmente, nos faz sorrir ou chorar. A imobilidade do pensamento, ou até da alma, bate palmas para o nosso relento, para nossa aflição.
Com a falta de movimento, nos tornamos vulneráveis, ou mais vulneráveis do que já éramos. Sentimentos, antes intragáveis, passam a ser realidade no nosso acordar e no nosso sono, no nosso andar e na inércia, na nossa vida que, na verdade, é uma peça de teatro, que nem sempre será sucesso de bilheteria. Aliás,  sempre costumamos vender poucos ingressos para a nossa cotidiana encenação, pois quase sempre o regresso consegue nos tirar a concentração e cambalear nossas pernas, até que sejamos derrubados.
Todos deveriam saber o valor que existe nas interrogações da vida, nas prorrogações insistidas, nas discussões proferidas, nas idas e vindas do universo humano. Visão de mundo se cria, seja com sociologia, teologia, filosofia ou numa sadia esquizofrenia do pensamento. Portanto, e afinal, para "sair do lugar" é preciso buscar a instrução, saber pensar com a cabeça e amar com o coração, acordar de terça a terça disposto a ter o universo na palma da mão. Vale ser desbravador de constelações, equilibrista de relações, contribuinte para formações... é necessário se ter fome de comer o "saber" para não morrer, já que para mover-se, primeiro é preciso se mover.

5 comentários:

  1. Respostas
    1. "[...]nossa vida que, na verdade, é uma peça de teatro, que nem sempre será sucesso de bilheteria." Realmente.

      Excluir
  2. Muito bom, palavras sábias !

    ResponderExcluir
  3. Muito bom seu texto, Tarrão. O meio faz boa parte da gente até que nos demos conta disso, tomemos as rédias da nossa própria vida e busquemos o que achamos que vai nos somar coisas boas, conhecimento, assim começamos a nos construir e não ser construídos.

    Abraço.

    http://bit.ly/X1arDc

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Tiane. Visão de mundo é o que falta pra muita gente, isso se obtém a partir da busca pelo conhecimento!
      Abraços.

      Excluir

Me dê a honra do seu comentário

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget